Saiba como o Desenho Animado começou no Brasil:

Bem vindu!
Aqui você fica sabendo como é feito um desenho animado tradicional (2D), suas etapas e sua evolução. Algumas biografias resumidas do pessoal da
animação. Aqui tem art concept, layouts, story boards, models, memórias, repertório de Glória Costa animadora e seu professor e amigo, o animador Mario Lantana, links de animação. Vai encontrar também ilustrações de Glória Costa. Curiosidades e muito mais!

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

De uma Pílula ao Faber Castell

video
Hoje quero falar de dois comerciais de outro Estúdio, o Start Filmes, que hoje é conhecido como Start Anima. Na época em que este filme, o Faber Castell  - Aquarela, estava sendo feito, Glória Costa já era considerada animadora. Começara como assistente de Animação, mas lá os departamentos eram divididos e em salas diferentes. O departamento de animação reunia os animadores e os intervaladores ficavam agrupados em outra sala. O elo de dupla que ela fizera com o animador Lantana lá não havia. 
Se o intervalador recebia uma cena para intervalar, ele se deslocava para onde estava o autor da animação e tirava suas dúvidas e recebia instruções. O intervalador ainda trocava ideias com o animador. Se a cena era complexa, ou tinha muitos personagens, ia parar nas mãos do intervalador mais capacitado e pegar cenas fáceis era só para ocasiões em que haviam várias e os principiantes estavam ocupados... E Glória fora contratada para resolver as cenas complicadas de intervalar. 

Seu trabalho foi recompensado quando entrou um comercial muito simples e no entanto com uma certa dificuldade. Era apenas uma esfera como o conhecido smile que representava uma pessoa que se divertia numa festa, bebia, ficava alegre e acabava bêbada e por fim nauseada e com ressaca, por fim ela melhorava e sua carinha fundia com o comprimido Engov. Um personagem assim sem detalhes, sem braços ou pernas para enfatizar a expressão é geralmente o que assombra um animador, porque necessita de uma boa solução para comunicar e o espectador entender... E este "smile" nem sequer falava para facilitar a situação!
Os animadores começaram a conversar entre si e empurrar um para o outro esse comercialzinho. Um dos animadores que ficava na sala da Glória tocou no assunto e ela na hora disse que o faria tranquilamente. O animador Alex se dispoz a falar com Walbercy, o dono do estúdio. E esta foi sua primeira oportunidade para animar e decidir toda a cena. Ela calculou de acordo com os compassos da música, com vira o Lantana fazer muita vezes. 
"- Lantana, como você marca os compassos da música para saber onde colocar as pontas da animação para o personagem dançar sem sair do ritmo? - eles estavam fazendo o comercial da maionese Rosê e a turma da Mônica dançava.
- Glória, quando a ficha vem para nós, ela mostra os compassos da canção onde estão as notas tônicas e as átonas. - e ele marcava o compasso com a mão e solfejava algumas notas musicais. - Preste atenção na minha mão, em cada 'ta' tem uma nota tônica, enquanto desloco minha mão o compasso  acontece... ta, ta, ta, ta-ta... ta, ta, ta, ta-ta... olhe na ficha. - e ele marcava as notas onde estavam."
BAR SHEET -  ENGOV
Agora com um bar sheet* do Engov nas mãos, ela agradeceu em silencio seu maestro animador e seguiu a marcação de sua ficha de animação ouvindo a trilha.  Assim o comprimido Engov foi animado, pintado e filmado.
- Agora falta o cliente aprovar.- disse Walbercy.
Nada mais foi dito por ninguém que assistiu o comercial do Engov depois de revelado e mixado com som. No dia seguinte o cliente estava lá para assistir. Walbercy saiu por alguma razão e deixou o rapaz que cuidava da filmagem repetindo a película para o cliente. Ele entrou na sala em que Glória estava e, de repente o cliente entra na sala procurando o Walbercy empolgado:
- Está ótimo nem eu pensava que pudesse ficar assim! Está muito bom! - e ambos saíram para tratar dos assuntos ligados ao filme.
Então a partir deste dia Glória passou a ser oficialmente uma animadora.

Mas o comercial da Faber Castell quando entrou na Start foi uma polvorosa. Cada um queria uma cena para animar. Ele devia ser desenhado com estilo infantil e na hora de resolver a criação do gato todos os animadores fizeram um esboço e o apresentaram... para ser reprovado. O filho de Walbercy acabou fazendo em casa para o pai o layout que foi animado pelo estúdio. 
A técnica usada para artefinalisar esse filme foi pintar pela frente do acetato com látex branco deixando a textura bem lisa e uniforme e depois foi colorido por cima com guache para dar a impressão de aquarela. Todo o Estúdio se empenhou numa parte desse filme e todos os animadores, intervaladores e artefinalistas tiveram que se esmerar para ele acontecer. 
As canetas, lápis, potinhos de guache foram todos fotografados, as fotos reveladas, recortadas e montadas em acetatos para se movimentarem sobre a animação e parecer que riscavam e pintavam. Até a secretária foi posta para recortar fotos de tantas que os animadores precisavam montar. Hoje faríamos esse comercial com a ajuda do computador, escaneando os lápiz ou fotografando e jogando as fotos dentro da cpu para resolver as cenas.



*bar sheet: ficha de som para marcar os tempos entre a ação e o som da locução e/ou música, ela geralmente servia para fazer o story board** para apresentar ao cliente. 

**story board: marcação das cenas para narrar a história de um filme animado. Define-se nele os cortes de cenas, zoom, enquadrações e tempo da ação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário